• Fernanda Bahia

Women's Championship Tour: saiba quem são as atletas que irão competir em 2021

A primeira etapa do Championship Tour 2021 da WSL está chegando, e Maui, no Hawaii, vai ser o palco do primeiro evento da temporada, com as meninas na água e a janela aberta a partir do dia 4 de dezembro, sexta-feira. O ManaSurf já explicou como vai funcionar o CT a partir do ano que vem, e hoje vamos falar das atletas que estarão presentes nas competições desse ano.

Tyler Wright, Cairssa Moore e Stephanie Gilmore na premiação do Maui Pro 2019 | Foto: WSL / Cestari

As etapas do Championship Tour contam com 17 mulheres, que são decididas a partir das suas colocações nos rankings do CT e do QS: são as 10 primeiras surfistas do CT, junto com as seis primeiras do Qualifying Series e uma wildcard. Além disso, cada etapa tem uma wildcard local que também pode ser convidada para o evento, totalizando 18 atletas e o primeiro round com seis baterias de três atletas em cada.


Nesse ano, os nomes que a gente pode esperar para ver nas etapas do CT são:


1. Carissa Moore

Atual campeã mundial, já venceu o CT quatro vezes. Vai começar a temporada como Jeep Leader. A atleta representa o Hawaii no tour e vai representar os EUA nas Olimpíadas de Tokyo, que irão acontecer em 2021. Carissa está no CT desde 2010, ano em que ela finalizou já no top 3 do ranking. No ano seguinte, Moore conquistou seu primeiro campeonato mundial. Seu segundo campeonato mundial veio em 2015, o terceiro em 2017 e o último no ano de 2019. A surfista nunca ficou abaixo do top 5 no ranking ao final de uma temporada.

Carissa Moore | Foto: WSL/Sloane

2. Caroline Marks

Caroline Marks foi a surfista mais nova a se qualificar para o CT, em 2018, quando tinha 16 anos. No ano seguinte, seu segundo no tour mundial, a atleta chegou a ficar em primeiro no raking durante a temporada, mas acabou em segundo, atrás da campeã mundial Carissa Moore. A atleta, que surfa pelos EUA, vai representar o país ao lado da campeã mundial, nas Olimpíadas de Tokyo em 2021.

Caroline Marks | Foto: WSL/Cestari

3. Lakey Peterson

A surfista, que chegou a considerar a carreira de tenista profissional, mas desistiu e acabou se virando para o surf, foi a primeira mulher a realizar um aéreo em uma competição, quando tinha 14 anos. Com 18 anos, em 2012, entrou para o CT, defendendo os EUA, e nas suas cinco temporadas, ainda não conquistou um campeonato mundial. Mas já chegou perto, e em 2018 terminou a temporada como vice.

Lakey Peterson | Foto: WSL/Sloane

4. Stephanie Gilmore

Surfista mais dominante do tour mundial, Stephanie Gilmore tem sete campeonatos mundiais. O primeiro foi na sua temporada de estreia no tour mundial em 2007, quando tinha 19 anos, a primeira a conseguir isso, entre homens e mulheres. Stephanie defende a Austrália no CT, e vai representar o país nas Olimpíadas 2020, no Japão. A última vez que Stephanie ganhou um campeonato mundial foi em 2018, e sua maior rival é Carissa Moore, que já passou algumas temporadas revezando a primeira colocação com ela. Mas Stephanie, além de talentosa no surf, está explorando seu lado musical e artístico, e toca guitarra em uma banda.

Stephanie Gilmore | Foto: WSL/Sloane

5. Sally Fitzgibbons

Sally é australiana e, junto com Stephanie, vai representar o país nas Olimpíadas no ano que vem, no Japão. Sally foi campeã do Junior Tour aos 16 anos, e com 18 foi a mulher a ganhar mais rápido o Qualifying Series, depois de vencer os cinco primeiros eventos. No seu segundo ano de CT, foi vice campeã em 2010. Em 2011 e 2012, também. Mas o campeonato mundial ainda não veio.

Sally Fitzgibbons | Foto: WSL/Miers

6. Tatiana Weston-Webb

Nascida no Hawaii, mas naturalizada brasileira, Tatiana é a única a representar o país no CT desse ano. A surfista, que até 2018 defendia o Hawaii, passou a defender o Brasil e conquistou sua vaga nas Olimpíadas. Em 2018, quando mudou sua bandeira, a surfista se sentiu inspirada e conquistou sua melhor colocação: o quarto lugar no ranking do CT. Tatiana também já esteve em Hollywood e foi a dublê da Bethany Hamilton nova em Soul Surfer, quando tinha 11 anos.

Tatiana Weston-Webb | Foto: WSL/Sloane

7. Courtney Conlogue

Mais uma atleta a defender os EUA no CT, Courtney surfa o tour mundial desde 2011. Com 28 anos, a atleta tem dois vice-campeonatos, e alguns machucados que atrapalharam o caminho para se tornar campeã mundial. Hoje, a atleta segue no top 10 e buscando o seu troféu como surfista. Quando pequena chegou a estudar artes marciais, mas acabou seguindo a carreira de surfista, mesmo não morando tão perto do mar, e com 14 anos já tinha conquistado uma vaga de wildcard no Maui Pro, no Hawaii.

Courtney Conlogue | Foto: WSL/Cestari

8. Johane Defay

Surfando pela França no CT, Johane tem 27 anos e está no CT desde 2014, seu surf progressivo tem elevado o estilo das surfistas do tour. Desde então, a surfista nunca ficou fora do top 10 nas temporadas, e segue correndo atrás do campeonato mundial. Sua melhor qualificação foi no quinto lugar, mas o que chama atenção na surfista é seu estilo e seus movimentos explosivos nas competições.

Johane Defay | Foto: WSL/Miers

9. Malia Manuel

Malia surfa pelo Hawaii e está no CT desde 2012, quando tinha 19 anos. Desde então, ganhou o Qualifying Series algumas vezes, e sua melhor colocação no CT foi quinto lugar. Para muitos, Malia é considerada a surfista mais subestimada do tour, e muitos aguardam o momento em que ela vai mostrar a que veio e conquistar o seu título.

Malia Manuel | Foto: WSL/Miers

10. Nikki Van Djik

Nikki surfa pela Austrália e é a única surfista, entre homens e mulheres, de Victoria a surfar no CT. A atleta está no CT desde 2014, e já chegou perto de sair do tour, quando terminou em décimo, em 2018 e 2019. A conquista permitiu que ela se mantenha no tour em 2021, e busque novos resultados e evolução nas suas colocações no tour.

Nikki Van Djik | Foto: WSL/Miers

11. Isabella Nichols

Isabella Nichols faz sua estreia no CT em 2021, com 23 anos, depois de ficar em primeiro lugar no ranking de 2019. No timing perfeito, já que Isabella estava matriculada em uma faculdade de engenharia, na Austrália, caso seus planos de se tornar uma surfista profissional não fossem como o planejado. A atleta, que passou por dois anos de dificuldade no QS, enquanto estudava para se formar na escola, foi a dublê da atriz Blake Lively, no filme Shallows.

Isabella Nichols | Foto: WSL/Miers

12. Bronte Macaulay

Bronte entrou no CT pela primeira vez em 2017, mas chegou a competir algumas etapas em 2016, quando Lakey Peterson se machucou, e Bronte entrou como wildcard, por ter ficado apenas uma colocação fora do CT. Mas seu ano de estreia no CT não foi de consistência, e a pressão acabou eliminando a australiana do Tour. Em 2018 e em 2019, Bronte não terminou bem no CT, mas se manteve a partir da Qualifying Series. E em 2021, Bronte volta também pelo QS, depois de terminar a temporada em segundo.

Bronte Macaulay | Foto: WSL/Bennett

13. Sage Erickson

O primeiro ano de Sage Erickson no CT foi 2012. Desde então, Sage teve dificuldades de se manter no tour. Em 2016, Sage conquistou o top 10 do CT pela primeira vez, e em 2017 repetiu o feito. Mas chegou a ficar um ano de fora, quando não se qualificou nem pelo ranking do CT nem pelo do QS, em 2018. Seu retorno, após uma boa qualificação no qualifying series de 2019, é para provar que a surfista, que defende os EUA, é sim uma surfista profissional.

Sage Erickson | Foto: WSL/Steinmetz

14. Brisa Hennessy

Brisa cresceu na Costa Rica, e defende o país no CT. Mas viajando, surfou as ondas de Fiji e do Hawaii e foi assim que se apaixonou pelo surf. Em 2018, Brisa se qualificou pela primeira vez para o tour mundial e de novo em 2019, também pelo QS. Em 2021, com 21 anos, Brisa pretende avançar no raking, para conquistar o seu primeiro top 10.

Brisa Hennessy | Foto: WSL/Miers

15. Macy Callaghan

A australiana Macy Callaghan chegou ao CT pela primeira vez em 2018, depois de chegar a uma bateria de conquistar o feito em 2017. Apesar de um ano de estreia complicado, a atleta conquistou sua vaga para o CT novamente em 2019, a partir do QS, e em 2021 volta a correr pelo campeonato mundial defendendo seu país, aos 20 anos.

Macy Callaghan | Foto: WSL/Miers

16. Keely Andrew

Aos 25 anos, a australiana Keely Andrew chegou a trilhar uma carreira no tênis profissional, ao mesmo tempo em que buscava campeonatos no surf. Com 16 anos, decidiu se tornar surfista e em 2016 entrou para o CT pela primeira vez. A surfista se manteve no tour pelo QS e, em algumas das suas baterias, eliminou nomes como Stephanie Gilmore, Carissa Moore e Tyler Wright, provando que tem o surf necessário para chegar ao topo do CT.

Keely Andrew | Foto: WSL/Miers

17. Tyler Wright

Bicampeã mundial, Tyler Wright é a wildcard para a temporada de 2021. A surfista, que tem uma carreira de altos e baixos - mais altos do que baixos, se recuperou de uma doença alto imune e voltou ao CT na última etapa de 2019, quando chegou à final contra Stephanie Gilmore, sua conterrânea.. Antes disso, foi campeã mundial dois anos seguidos, em 2016 e em 2017, momentos em que também estava lidando com alguns problemas. Tyler viu seu irmão, Owen Wright, sofrer um acidente que quase o matou, antes de vencer seu primeiro campeonato mundial. No ano seguinte, quando foi bi-campeã, a australiana se recuperava de uma lesão no joelho e ainda assim conquistou o segundo título. 2021 marca o retorno oficial da atleta para o tour mundial.

Tyler Wright | Foto: WSL/Sloane

Por aqui, com tanta atleta incrível, fica até difícil decidir quais são os nomes a apostar para esse ano. E você, conta para gente, quem é sua favorita para o campeonato mundial de 2021?

Maui Pro 2021 Poster

  • Instagram - White Circle
  • Facebook - Círculo Branco
  • Pinterest - Círculo Branco

Contato

COPYRIGHT © 2019, PORTAL MANASURF . TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.